Bem-vindo/a ao blog da coleção de Ler o mundo História referência no ensino da diversidade

Bem-vindos, professores!
Este é o nosso espaço para promover o diálogo entre a autora da coleção LER O MUNDO HISTÓRIA, editora SCIPIONE e os professores que apostam no nosso trabalho.
É também um espaço reservado para a expressão dos professores que desejam publicizar suas produções e projetos desenvolvidos em sala de aula.
Clique aqui, conheça nossos objetivos e saiba como contribuir.

sábado, 17 de maio de 2008

Brasil perde um dos maiores símbolos da culinária afro-baiana


Quem nunca ouviu falar em Dinha do Acarajé? Quem já visitou a cidade de Salvador, na Bahia, sabe que um dos pontos turísticos de parada obrigatória é seu restaurante localizado no Largo de Santana, no bairro Rio Vermelho.

Umas das principais atrações da Bahia, com os acarajés e abarás mais famosos do Brasil, Lindinalva de Assis, a Dinha, faleceu na madrugada desta sexta-feira, aos 56 anos. Perto de completar mais um ano de vida, no próximo dia 20, Dinha estava internada há seis dias com dispnéia e virose, mas ontem, com uma nova crise, teve uma parada cardíaca. Dinha sofria de diabete e hipertensão.

Os encontros de fim de tarde no Largo de Santana perderam um pouco do agito, mas não o encanto de quem fez da vida uma história.

O velório e enterro acontecem no Cemitério Jardim da Saudade. O sepultamento acontece hoje, às 16h30. Deixa três filhos: Cláudia, 38; Edvaldo, 37; e Elaine, 26.






História da Dinha

Homenageada e cantada em prosa e verso, essa baiana demonstrou força, coragem e superação desde menina.

Nascida em 20 de maio de 1951, batizada como Lindinalva de Assis, Dinha perdeu sua mãe, Rute de Assis, e também quituteira, ainda aos quatro anos. Foi então, criada por sua avó Ubaldina, pioneira na arte do acarajé.

Ubaldina iniciou a venda de acarajé em 1944, colocando um tabuleiro de baiana em frente à entrada da Igreja-Matriz, no Largo de Santana, local de agito e de destaque do Rio Vermelho.

Após a morte da sua mãe, Rute, que havia sucedido a avó Ubaldina no tabuleiro, Dinha, ainda aos 10 anos, percebendo que o sustento da família estava comprometido com a ausência das vendas dos acarajés, decidiu assumir o ponto de quitutes da mãe, tornando-se referência para a família e sociedade.

Ao longo dos anos, consolidou a competência e qualidade do seu trabalho ficando conhecida em toda a Bahia. Mas não foi só isso. Por seu tabuleiro já passaram Chico Buarque, Dercy Gonçalves, Chacrinha, Ayrton Senna, além de fiéis clientes, como Jorge Amado, Zélia Gattai, Dorival Caymmi, Moraes Moreira e outros de uma imensa lista. Já esteve também na Argentina, Paraguai, Portugal, Espanha, Itália, Suíça, França e Mônaco. Neste último, até o príncipe Rainier conheceu o seu tabuleiro e suas filhas, as princesas do Mônaco, adoraram os acarajés.

Na continuidade da tradição de família, a filha Cláudia, que há algum tempo já estava substituindo a mãe, deve agora seguir assumir de vez a Casa da Dinha, inaugurada em 1999, o quartel-general, onde concentrou todas as atividades culinárias. Trata-se de um restaurante especializado em pratos típicos, com temperos e condimentos exclusivos da Dinha, herdados do receituário da avó Ubaldina.

E assim, a família Assis prosseguirá, passando de geração a geração uma arte e um exemplo de mulher, de símbolo, de baiana, de guerreira.

Marcus Bennett - ACS/FCP "Brasil perde um dos maiores símbolos da culinária afro-baiana" (16/05/2008 - 11:29)

Um comentário:

Germano V. Xavier disse...

Maria, tinha lido sobre a Dinha e sua morte. Não cheguei a conhecê-la, apesar de já ter morado em Salvador. Mas sei que é um perda, acima de tudo, cultural.

Abraços!

Germano
Aparece...